quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Saiu!

o primeiro single da Dr. Manhattan Sessions, o disco que um dia sairá.


Produzido por Taiguara C, no estúdio do próprio, em novembro de 2009.




video


walk on alone again
no lound, no more pretend
i'm awake, i think, here on mars

i'll look into my past
with future as my guest
i'm sick, i'm cold, here in the stars

cry me a river
a red, deep, river
this picture fills me with scars

your lips are a miracle
your weakness are so beautiful
i understand your grace here on mars


zo/

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Maldição

abriu a porta com fúria, colocou a cara pra fora e, quando já ele ia descendo as escadas, gritou:
- e o diabo que te carregue!
arrependida, não pode fazer nada mais do que arder um incenso pra disfarçar o odor de enxofre que subia pelo poço do elevador e ia direto impregnar cada canto do apartamento.

domingo, 29 de novembro de 2009

Poeminha Compulsivo

é passional e espontâneo
não há nem o que discutir:
sou um espasmo momentâneo
compulsionado só por ti

Poeminha Obsessivo

ai de ti
se confessar não estar a fim
de que eu te adore feito um louco
de que eu esqueça até de mim

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Poeminha Benigno (Tanto Pra Mim Quanto Pra Ti)

porém tão mais revigorante
do que repousar em um amor
pelo bem-estar que tanto se anseia,
é fazê-lo com o conhecimento prévio
do potencial que isso confere
de fazer bem à saúde alheia

terça-feira, 30 de junho de 2009

Poeminha Culposo

decepção

você dizia
aos prantos
se soluçava
aos trancos
me engalfinhava
a esmo
magoar é foda

mesmo

terça-feira, 16 de junho de 2009

Ora Oras

entrar nessa de romance
exige desligar o cerebelo
e passar a pensar com as bolas

segunda-feira, 11 de maio de 2009

sexta-feira, 8 de maio de 2009

Poeminha Passional

sim

surtei bonito

fiz bafão

dei faniquito

e incondizente

àquela imagem

de gentleman

doce, amável

de cerebral

de erudito

te a[ssa]ssinei

com estardalhaço

só pela rima

eu admito

quinta-feira, 7 de maio de 2009

Poeminha Racional

só não mataria por ela
porque sou demais cogitativo
[e ponderaria feito mula
a sequela do
homicídio]

mas não pensaria duas vezes
e faria, contemplativo
se, como prova do meu chamego
ela exigisse um
suicídio